SALO Reunião: Edifício Nacional, Regional e Consenso Internacional sobre a Agenda de Desenvolvimento pós-2015

photo 5A ASC foi convidada para facilitar o processo de discussão nesse importante evento diálogo político realizado em Pretória, no dia 29 de janeiro. Professor Garth Le Pere, o ex-diretor e fundador do Instituto para o Diálogo Global, Isabella Matambanadzo, ativista feminista e Carmen Smidt do comitê de Relações Internacionais ANC contribuíram perspectivas úteis sobre as questões.

Carmen Smidt forneceu uma visão geral do fundo da agenda de desenvolvimento pós-2015, situando-o no contexto dos oito ODM. Ela explorou a história dos ODM, e várias críticas que identificou tanto os ganhos que haviam sido feitas, bem como os pontos fracos que moldaram muitas das discussões sobre a construção de uma agenda de desenvolvimento mais forte para seguir nos ODM. Uma crítica importante foi que, enquanto houve muita discussão de alto nível sobre os ODM, as pessoas no terreno não eram participantes ativos em sua formulação. Houve também uma aplicação desigual dos ODM, com algumas metas a ser obtido à custa dos outros, e em alguns países a fazer mais progressos do que outros. A principal deficiência dos ODM foi a incapacidade de enfrentar a paz e segurança, sem a qual é difícil imaginar que os ODM poderia ter sido alcançado no continente Africano. Algumas das perguntas-chave que foram colocados, “se nós não atingimos os padrões mínimos do ODM, existe uma vontade real de aliviar a pobreza, a doença, e desenvolver?”, E “No meio do post 2015 debates, como é que vamos mudar a partir do one-size-fits-all modelo, a um modelo que pode ser utilizado em cada situação? “. Ela questionou a medida em que estamos incorporando lições dos ODM na agenda de desenvolvimento pós-2015.

Dr Garth Le Pere abordou os meios de implementação e financiamento de 2015 agenda do Post, e a questão de como definir parcerias globais para o ODS, dados os diferentes desafios que enfrentam diferentes partes do mundo. Como ele mesmo diz, “a linha de batalha diz respeito responsabilidades comuns mas diferenciadas”. Ele identificou três áreas de preocupação que deve animar o debate: o desafio de absoluta pobreza, da insegurança e da desigualdade e da provisão de bens públicos e nexo de sustentabilidade. Cada uma dessas áreas afeta desproporcionalmente os países em desenvolvimento, e em particular os pobres, as mulheres e os jovens. No entanto, os desafios não estão limitados a uma divisão Norte / Sul, mas existem dentro dos agrupamentos também. Por exemplo, a UE ainda está tentando se recuperar da crise econômica de 2008, e os níveis de ajuda caíram muito abaixo dos seus objectivos. PMA quer uma ênfase muito mais forte na redução da pobreza, o que também deve incluir um novo paradigma para o crescimento econômico. Os países do BRICS parecem ser ambíguo sobre seus papéis, e há um clima de introspecção entre os países de renda média. Contra esse pano de fundo é o desafio do financiamento do pós 2015. Ele identificou três importantes fontes de financiamento: fontes internas de mobilização, os mercados internacionais de capital e fontes de financiamento inovadoras. Ele concluiu que precisamos definir uma agenda pós 2015 que é sensível tanto para os pobres do mundo e do contexto económico instável global.

Finalmente, Isabella Matambanadzo chamou a atenção para questões-chave que a agenda pós-2015 terá de enfrentar se for para entregar a transformação que ela procura. Ela aproximou-se da discussão do âmbito da Posição Comum Africano e Agenda 2063, pretende envolver-se com o pós-2015 a partir de uma perspectiva Africano e feminista. Entre suas preocupações eram as vozes de grupos que podem ser excluídos, ou em que os ganhos podem ser acompanhadas por perdas. Por exemplo, ela falou sobre o aumento do acesso que as mulheres tiveram de serviços de educação e de saúde, que tem sido acompanhada por uma reação de violência, tais como a esterilização forçada e as intervenções violentas contra a educação das raparigas, como o rapto de meninas da escola por Boko Haram na Nigéria. Ela também observou que os jovens são a voz do nosso futuro, mas não há nenhuma referência à liberdade de escolha sexual na Posição Comum Africano on Post 2015. Ela advertiu que, embora 2015 agenda o Post defende justiça para todos, é de natureza patriarcal e não usa a língua de uma lente Africano. Ela chamados “sites de inovação Africano”, para informar e influenciar parcerias e entrada globais no pós-2015.

A reunião foi útil para delinear as especificidades do debate atual, especialmente onde as diferenças de pensamento leigo. Em cada uma das quatro áreas de trabalho identificadas pela viz Assembleia Geral da ONU. A Declaração Política, Objetivos e Metas, os Meios de Implementação e Monitoramento e Avaliação há muito diversas perspectivas que precisam ser resolvidos ao longo dos próximos meses.

Enquanto a maioria dos participantes do evento SALO concordaram que o pós-2015 Agenda de Desenvolvimento tem o potencial para ser transformadora, muitos também são céticos sobre a realidade dos processos de negociação multilateral internacional e preocupado com os interesses subjacentes e agendas dos países mais poderosos.

Atualmente, há uma tendência para escorregar em um conjunto de lentes polarizadas que sugere pós-2015 é de cerca de colmatar o fosso entre os países mais desenvolvidos da OCDE, que têm interesse em manter o status quo atual, e os países menos desenvolvidos do G77. O verdadeiro potencial da negociação de uma nova agenda de desenvolvimento para substituir os ODM só será realizado se todos nós podemos reconhecer a interdependência dos povos e Estados-nação, e compreender que a pobreza, o subdesenvolvimento e insegurança em qualquer lugar é de fato uma ameaça para a segurança humana em todos os lugares.

Não está fora de algum tipo de benevolência paternalista que os países desenvolvidos precisam reconhecer e reconhecer os seus compromissos e responsabilidades ‘não cumpridas para os países desenvolvidos, mas porque eles têm um interesse direto na redução dos níveis de desigualdade e os efeitos contextuais que o subdesenvolvimento têm na dinâmica global.

X