Respostas à violência e saques em Soweto

bullet hole

No mês passado, como muitos de vocês sabem, houve surtos de violência, saques e sentimento xenófobo em townships nos arredores de Johannesburg, África do Sul. Essa violência, que lembra os ataques xenófobos de 2008, indica uma persistência decepcionante da contínua hostilidade entre estrangeiros e locais, e ressalta a importância dos esforços para reduzir a exclusão.

O incidente que provocou o surto foi o tiro de um adolescente por um estrangeiro, que testemunhas relataram faziam parte de um grupo tentando invadir sua loja. O dono da loja, Sheik Yusuf, alegadamente disparou um tiro de advertência de dentro da loja fechada, atingindo o menino, que morreu do ferimento. Yusuf disse ao tribunal que disparou tiros de advertência para dispersar a multidão enfurecida de pessoas que estavam tentando entrar em sua loja, e se declarou inocente das acusações de assassinato, tentativa de assassinato e posse de uma arma de fogo sem licença e pediu que ele fosse libertado sob fiança. Magistrado Herman Badenhorst decidiu que porque Yusuf enfrentou acusações graves, seus documentos devem ser verificados antes de qualquer decisão sobre a fiança poderia ser feita. O caso será retomado esta semana. A ASC vai manter os leitores atualizados conforme o caso se desenvolve.

Na sequência deste acontecimento trágico, os ataques contra lojas de propriedade estrangeira e donos de lojas começou a se espalhar, com mais pessoas sendo feridos e mortos, e os meios de subsistência destruídos. A mídia tem sido repleta de relatos de brutalidade e caos, com imagens e vídeos que circulam na mídia social dos próprios policiais que se aproveitam da situação para saquear lojas. Mas longe dos holofotes da mídia e relatórios sensacionalistas, os membros da comunidade, as estruturas locais de paz e as OSCs tem estado a tomar uma posição contra a violência e contra a xenofobia e apelando para a unidade ea paz nas comunidades.

A mídia tem sido repleta de relatos de brutalidade e caos, com imagens e vídeos que circulam na mídia social dos próprios policiais que se aproveitam da situação para saquear lojas. Mas longe dos holofotes da mídia e relatórios sensacionalistas, os membros da comunidade, as estruturas locais de paz e as OSCs tem estado a tomar uma posição contra a violência e contra a xenofobia e apelando para a unidade ea paz nas comunidades.

shop owner in looted shop

Os Comitês de Paz locais têm sido ativo na prevenção da violência se espalhe dentro dos municípios. Por exemplo, o LPCs foram a realização de reuniões com a polícia e se engajar com as estruturas locais, a comunidade empresarial, donos de lojas e especialmente os jovens e líderes de jovens sobre as formas de prevenção da violência continuada. Em Alexandra Township os LPCs tiveram entrevistas de rádio e meios utilizados, tais como Alex FM, para incentivar a comunidade em geral em Alex para ficar contra a pilhagem, a xenofobia e violência. Em Alexandra, os LPCs têm vindo a utilizar twitter, facebook e as mídias sociais para alertar o fórum polícia, outros grupos locais e uns aos outros sobre o que está acontecendo, e para mobilizar os membros da comunidade, que se reuniram para alertar a comunidade em geral que se houvesse mais saques de lojas a polícia iria ser alertado. Esta ação ajudou a parar a propagação da violência em Alexandra. Em Soweto, os LPCs têm estado envolvidos em discussões com a Administração Interna e do Departamento de Desenvolvimento Social para ajudar donos de lojas somalis cujas lojas foram saqueadas e sua documentação legal destruídas, deixando-los presos.

talking to local youths

Para tirar esses esforços para o próximo nível, o ASC é uma parceria com a cidade de Joanesburgo, o departamento de segurança da comunidade e os Comitês de Paz locais para embarcar em uma campanha porta-a-porta nas comunidades afetadas. 200 pessoas ao longo de um período de 10 dias vai se envolver com os membros da comunidade para saber deles o que eles acreditam levar aos surtos, e quais as soluções que eles poderiam sugerir. O processo destina-se a dar voz aos membros da comunidade, e as informações recolhidas serão desenvolvidas em um relatório que reflete com precisão as perspectivas locais, e pode formar a base de uma resposta que irá abordar as necessidades da comunidade auto-identificados. O relatório será distribuído a todos os interessados, e irá contribuir para os processos que já estão em andamento para oferecer medidas preventivas de longo prazo. Esta campanha será acompanhada por uma petição, que procurem reunir as assinaturas de todos os membros da comunidade em apoio às comunidades pacíficas e inclusivas. O processo culminará em um evento de solidariedade que será realizada no dia 14 de fevereiro, em Snake Park. O evento será uma celebração cultural com música e entretenimento, atraindo membros das comunidades afetadas em conjunto e compartilhar mensagens de esperança, unidade e solidariedade dos principais oradores.

Completando estes esforços será um projeto de vídeo entrevistando pessoas para capturar as histórias que não estão sendo contadas pela mídia sobre a ação positiva a ser tomadas pelas comunidades locais. Este vídeo também irá capturar o evento descrito acima, e será distribuído em várias plataformas para aumentar a conscientização sobre aqueles que estão de pé juntos contra a violência e os saques, promovendo soluções pacíficas e ajudar aqueles que foram afetados.

Uma série contínua de diálogos e oficinas serão organizados para suceder ao evento, através de reuniões e colaboração com vários intervenientes, incluindo o ASC, os LPCs e outros parceiros, e procurarão orientar em especial, a comunidade, os migrantes, donos de lojas e a juventude.

Os esforços coletivos de todos os indivíduos e organizações envolvidas nessas atividades deve servir para nos lembrar que, embora existam focos de violência e tensão permanente, a maioria são motivados a construir ambientes comunitários pacíficas e inclusivas.


Fotos: O buraco de bala onde ocorreu o incidente que desencadeou a violência, ASC e LPC membros que falam e auxiliar donos de lojas e membros da comunidade

 

X